TIBETANO

Também chamado de Budismo Vajrayana ou Lamaísmo, tem suas práticas de meditação na forma de elaborados rituais, com leitura de saddhanas (textos litúrgicos) e visualizações. Possui uma tradição nas artes, como pinturas e esculturas, e também tradição em ordens monásticas, com ênfase no relacionamento entre alunos e Lamas.

Pertence à vertente Mahayana do Budismo, e tem sua representação maior na figura do Dalai Lama.

As principais escolas são Nyingma, Kagyu, Gelug (escola na qual pertence o Dalai Lama) e Sakya.

O termo Lamaísmo provém do tibetano Lama, que significa mestre ou superior e que designa, geralmente, os monges tibetanos, em especial os hierarquicamente superiores. Esta denominação foi dada ao Budismo Tibetano pelos estudiosos europeus, principalmente, que se utilizaram deste termo para distinguí-lo do Budismo Indiano e permitir que fosse dada ênfase ao seu caráter mágico.

O Lamaísmo apresenta um duplo aspecto, assim como a maior parte das religiões orientais: o doutrinal e o popular. A doutrina lamaica tem como base filosófica a manutenção e o desenvolvimento da tradição do Mahayana ("Grande Veículo", que se distingue do Hinayana ou "Pequeno Veículo").